Quinta, 06 de Agosto de 2020 04:33
61 99660-9440
Dólar comercial R$ 5,29 0.184%
Euro R$ 6,28 +0.591%
Peso Argentino R$ 0,07 +0.137%
Bitcoin R$ 65.450,4 -0.94%
Bovespa 102.801,76 pontos +1.57%
Economia Geral

Governo mantém a estimativa de queda de 4,7% da economia em 2020

Expectativa de recuo das riquezas brasileiras, impactada pela pandemia do novo coronavírus, é a mesma em comparação a maio

15/07/2020 12h26
46
Por: DILMAN LIMA
Governo mantém a estimativa de queda de 4,7% da economia em 2020

O governo federal manteve a estimativa oficial de recuo de 4,7% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2020. Os dados da SPE (Secretaria de Política Econômica), do Ministério da Economia, foram divulgados nesta quarta-feira (15).

Neste ano, o país deverá gerar R$ 7,1 trilhões em riquezas, enquanto a projeção é de R$ 7,6 trilhões para 2021.

A pasta manteve a previsão de recuo deste ano considerando a "melhoria dos indicadores", apesar da extensão do isolamento social.  Segundo o ministério, isso significa que as políticas adotadas pelo governo para combater os efeitos da pandemia na economia estão surtindo efeitos positivos. 

O ministério explicou ainda que os resultados de atividade econômica de abril e maio mostram que "o vale da crise provocada pela pandemia provavelmente ficou para trás. Houve retração na indústria, comércio e serviços, e apenas a agropecuária apresentou resultados positivos. Muitos indicadores de maio e junho mostram sinais de reação da economia para iniciar a saída do 'fundo do poço' e a recuperação no segundo semestre".

A pasta afirmou ainda que as políticas econômicas se mostram efetivas para proteger as famílias e as empresas durante este período de instabilidade. No entanto, a pasta esclareceu que estas medidas são temporárias e precisam ser substituídas por ações que visem o aumento da produtividade da economia e o equilíbrio fiscal.

Para 2021, porém, a previsão é de reação da economia brasileira, com crescimento de 3,2%..

Inflação oficial

O IPCA, índice que mede a inflação oficial do Brasil, deverá fechar o ano em 1,6% e deverá acelerar para 3,24% no ano que vem. A previsão modesta para a inflação para esse ano se explica pelo choque de demanda bem acima da retração da oferta, alertou o ministério.

"Os principais responsáveis pela menor inflação esperada ainda deverão ser os bens industriais e os serviços. A desaceleração é resultado direto dos impactos na atividade econômica. Ademais, os preços monitorados também apresentaram forte recuo com destaque para Energia Elétrica, Gasolina e Óleo Diesel. Em sentido oposto, o grupo Alimentação no Domicílio que engloba, genericamente, alimentos vendidos por mercados e estabelecimentos similares, apresentaram aceleração", diz a nota do ministério.

-
Atualizado às 21h00 - Fonte: Climatempo
°

Mín. ° Máx. °

° Sensação
km/h Vento
% Umidade do ar
% (mm) Chance de chuva
Amanhã (07/08)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. ° Máx. °

Sábado (08/08)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. ° Máx. °